quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Oferta IV





Me põe de quatro, usa e abusa de minha bunda,
Bate nela, quero-te em tapas, expõe-me com serva,
Excita-te ao me ver ofertada como puta de segunda,
Fode-me por trás, alterna, mete essa pica sem reserva.

Crava em mim esse pinto gososo
Me domina e me masturba na buceta,
Enquanto rompe a coroa de meu cu gostoso,
E eu lanço aos ares meus gemidos em falseta.

Arfo, sufoco e estremeço a buceta escancarada,
Sinto-a grandiosa, úmida e indecente,
Mordendo teu pau, lúbrica e encharcada.

Fode, puto safado, esse corpo que te oferto,
Faz-me gozar, sou cadela impenitente,
Leva-me ao nirvana fodendo meu cu aberto.







terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Oferta III




Sinto em todo o corpo esse frêmito abissal,
Me lanço nesse abismo em foda louca,
Chupo, alucinada, esse caralho duro e infernal,
Sinto teus fluídos na garganta e fico rouca.

Provoco-te com palavrões, te insulto em desatino
Cravo as unhas em tuas costas em total delírio,
Rebolo e me exibo como puta, é esse meu destino,
Uso o corpo todo como louca em pleno desvario.

Tua pica pulsante, venosa e deliciosa me penetra
Tua língua ágil como cobra me provoca,
Masturba-me, relaxo e gozo, pelos hirsutos ao pé da letra.

Sinto teu esperma de macho denso e grosso,
Leite seminal ordenhado que me convoca,
A um squirt final que sinto até dentro do osso.







quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Oferta II




Na minha bunda, puto do caralho, te ofereço umedescido,
Aquilo por que tanto anseias em tua tara secreta idealizada,
Amplexos de nádegas duras em teu pinto intumescido,
Pulsante e majestoso, com cabeça vermelha, envernizada.

Oferto-te um rabo, um cu aberto e empinado, a teu dispor,
Para que penetres, macho insidioso, obediente a meu desejo,
Depois de chupa-lo e endurece-lo sentindo na boca seu sabor,
Gozando louca masturbada de dedos na buceta que não protejo.

Enfia filho de uma puta, essa pica gososa meu rabo adentro,
Me faz sentir dentro do corpo o teu pulsar e o teu latejo,
Mete fundo e alivia, nesse ritmo de fodedor circuncentro.

Vem de coxa em minha coxa, bate forte as bolas em minha bunda,
Acaba dentro, vagabundo, com a porra que, cadela, eu já farejo.
Me faça puta, satisfaça agora o tesão da Rainha que fecunda.




terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Oferta I





Observa-me canalha, aprecia esta buceta sem igual,
Excita-te filho da puta, endurece esse membro pulsante,
Quero-o ereto, punhetado, arregaçado e sensual
Cabeça exposta, envernizada de fluidos deslizante.

Vem puto safado, penetra meu corpo tresloucado,
Possui minha gruta de prazer vadio desenfreado,
Entra no ritmo de meu corpo todo transtornado,
Mete fundo esse pau bem duro e bem colocado.

Rende-te de corpo mente e alma à minha oferta,
Tira dela o todo o proveito que te aprouve,
Enche e encharca com porra minha buça aberta.

E ejacula, uiva e goza nela, meu puto safado,
Deixa em mim teu esperma para que eu louve,
Teu tesão desmedido e inexorável, em mim saciado.





terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Libertina III



Sacanagens indecentes que só putas sabem desfrutar.
Pedido xulos e vulgaridades totais, língua na orelha,
Mordida na nuca, uma forquilha de dedo no calcanhar.
Um cacete duro que adentra, venoso, cabeça vermelha.

Foda desejada e ansiada, triunfante afliceta,
Em que se ouvem barulhos e sons pecaminosos,
Ares que se comprimem e escapam pela buceta,
Sons animais que se produzem em corpos fogosos.

Quero abrir, ser aberta, usada, metida e fodida,
Nessa pica sentar e rebolar como vadia de rua,
Quero agora um pau duro como nunca senti na vida.

E sinto então o eflúvio do orgasmo desejado,
Grito, louca, mete-me toda essa pua,
Me faz gozar canalha, meu puto tarado.




sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Libertina II



Sou fêmea inusitada, ambígua e prazerosa
Que te atemoriza, mas te envolve ao foder,
Pois sou, tal como aranha viciosa, venenosa,
Que mata o macho que a fecunda de prazer.

Quero teu pau duro que sai de minha boca licencioso,
Pulsante e rijo que abra potente a minha bunda,
Que encoste firme e forte no meu cu desejoso,
Forçe a entrada e rompa pregas, quando nele afunda.

Quero como vadia de rua gritar e gemer
Babar pela buceta, gozar, arfar e sentir
Esse pinto duro ocupando meu rabo a tremer.

Alarga meu anel, mete esse caralho em pleno poder,
Enquanto me falta o ar, à beira de desmaio e a pedir,
Que teus dedos me masturbem no ritmo de teu foder.






terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Libertina I




Rainha chupadora, libertina impenitente, mestra da língua,
Descobridora impertinente de infames prazeres anais,
Concedidos e cedidos, a seco ou lúbricos, sou ambígua,
Sem quartel e sem limites, sempre querendo algo a mais.

Conhceço e ultrapasso os tênues limites da decência,
Quero toda a indignidade que corpos propiciam encaixados,
Quero buceta encharcada e um caralho duro em total potência,
Mamilos duros e eriçados, pelos hirsutos, arrepiados.

Quero mamar, fora de tetas leiteiras, a porra da luxúria,
Quero de um pau rij,o o sêmen de prazer em grossa ejaculada
Ou de buceta excitada, squirts e mijadas de putas sem lamúria.

Quero eflúvios de gozo, fluídos quentes, em orgasmo sem fim,
Misturados e descendo pelas pernas, depois da bunda molhada,
Inundando este chão que me sustenta, te fazendo fraquejar por mim.











segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Narcisa III



Como Narciso, faço o amor ao meu corpo elegante,
Artifícios uso, alem de dedos espertos, gadgets sensuais,
Que aproximo, vibrante, da buceta úmida e pulsante.
E sinto, leves, tremores sutis, estímulos súbitos, fatais.

A buceta clama, aflita, por uma penetrada rompante,
Aperto um botão, aumento a rotação, imagino fervente,
Um caralho duro, venoso e ereto, louco e pulsante,
Que me adentra violante, por mim mesma, insolente.

Prendo-o entre as coxas, aperto-o forte na bunda
Ele vibra sozinho, em crescendo, e me deixa louca
Me leva ao nirvana quando na buceta se aprofunda.

Escorre de dentro do corpo o meu fluído viscoso,
Mela o vibro, ininterrupto gozar, loucura pouca,
E entro em transe, orgásmico, exibido e precioso.