quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Boca


                                                   Gustav Klimt (1862 - 1918). Áustria, O beijo, 1907.


A boca que a tua toma sem respeitos,
De língua te penetra repentina,
Sabores de salivas, misturam-se perfeitos,
Beijo sáfico, sacana, de fêmea libertina.

Lábios que se esfregam molhados e sensuais,
Se exibem para nós, macha e fêmea sideradas,
Por nosso afogo em corpos homossexuais,
Fartando uma a outra de carícias putas e safadas.

Macha te penetro, com meu caralho, dildo ou pinto,
Como quiseres chama-lo, ele te rompe e desorienta,
Buceta adentro, minha fêmea te tornas eu te sinto.

Te vejo frouxa, lânguida para mim tua amante,
Gemebunda, de luxúria traficante e sedenta,
Do vício que te imponho, de que gostas exuberante.


sábado, 18 de novembro de 2017

Buceta


                                                        Gustave Courbet(1819 - 1877) França. L'origine du monde. 1866.

Buceta por onde eu gozo, por onde entram em mim,
Dedos, línguas e caralhos, artífices de todo meu prazer,
Objetos de minhas putarias indecentes, loucas e sem fim,
Por onde saem meus fluídos, líquidos que te apraz beber.

Pelos que cultivo e que emolduram essa porta infernal,
Esse pântano sensual onde aprisiono pintos duros,
Que me penetram corpo adentro, puro vigor seminal,
Fazendo de mim objeto de uso, de teus desejos impuros.

Lábios que ornamentam essa gruta de desejos,
Camadas sutis da carne excitada que pede e deseja
Estocadas viris, acompanhadas de putos beijos.

Buceta por onde eu gozo, despejando em ti meu descontrole,
Que bebes deliciado como o puro sumo da cereja,
Que viceja em meu sexo, louco em plena hipérbole.



quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Delícias orientais. Shunga VII




Em Macha, pauzuda e comedora, me transformo,
Ajusto, firme e rijo, o pinto que te fode com malícia
Pronta para te meter, te excito e doida te transtorno,
Enquanto me lubrificas, cheia de tesão e delícia

Safadas e vagabas, há muito que, gostosas, nos fodemos,
Sem jamais nos saciarmos, desses putos afazeres,
Rainha prevaleço, te domino e assim nos entendemos,
Gozando sem amor, somente o melhor dos prazeres.

Em pé te tranco na parede, pressiono forte em tua coxa,
Abro tuas nádegas gostosas, passeio o pau no rego,
Beijo-te a nuca,mordo, te masturbo minha te sinto frouxa.

Sinto tua fraqueza, estás inteira  entregue em meu poder,
Hoje Reino sobre ti, possuo corpo e alma, sem chamego,
Pois, indecente, te levo ao inferno da luxúria ao te foder.



quarta-feira, 15 de novembro de 2017

A new submissive



Here is my latest servant, a slut I have mastered through my qualities as special powers of majestic Queen.
Steph is the name of this male specimen who serves me fervently, devoting all the time he has to exalt me and praise me.
Steph is a polysexual, like his Domme, able to satisfy me in all my perversions and all my experiences of pleasure and lust. You deserve to serve me Steph; and always praise your Queen Mariangela.






sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Delícias orientais. Shunga VI


Buceta por onde eu gozo, por onde entram em mim,
Dedos, línguas e caralhos, artífices de todo meu prazer,
Objetos de minhas putaria indecentes, loucas e sem fim,
Por onde saem meus fluídos, líquidos que te apraz beber.

Pelos que cultivo e que emolduram essa porta infernal,
Esse pântano sensual onde aprisiono pintos duros,
Que me penetram corpo adentro, puro vigor seminal,
Fazendo de mim objeto de uso, de seus desejos impuros.

Lábios que ornamentam essa gruta de desejos,
Camadas sutis de carne excitada que pede e deseja
Estocadas viris, acompanhadas de putos beijos.

Buceta por onde mijo, despejando em ti meu descontrole,
Que bebes deliciado como o puro sumo da cereja,
Que viceja em meu sexo, louco em plena hipérbole.


segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Delícias orientais. Shunga V




A língua ágil que escorrega, perpassa entre cú e buceta,
Tesa e flexível, doce e áspera em insana ambiguidade,
Que me excita e me faz relaxar as coxas em total afliceta,
Trêmula e pernibamba, pré orgasmo em plena promiscuidade.

O caralho duro que minha boca penetra já babado,
Venoso e cabeçudo, viril, promessa de porra ejaculada,
Membro que chupo presurosa, com gosto acre e suado,
O odor do sexo em plenitude, em minha língua safada.

Dedos canalhas que brincam espertos no meu rego,
Correspondências safadas solertes em teu saco,
Carícias degeneradas, putas e aplicadas em desapego.

Final esplendoroso, orgasmo mútuo, feliz e desejado,
Gozadas profundas simultâneas; eis uma ode a Baco,
Num beijo sujo,indecente, num fluído só que escorre liberado.


quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Delícias orientais. Shunga IV



Agora dominante, encaixo na buceta teu pau pulsante,
Sinto-o nos portais de meu sexo arfante,
Relaxo a virilha, técnica oriental, aprendida de outras era,
Engulo todo corpo adentro, olhando e uivando como fera.

Seguro forte esse caralho delicioso, direciono-o certeiro,
Sem vacilos e hesitações, exitoso penetra-me por inteiro,
Sento e sinto todo ele, provocando minha mente,
Excitando-me, exaltando-me fazendo-me de gozo doente.

Sinto que esporras, jorras dentro de mim teu sêmen quente,
Respondo e correspondo e verto para ti meu fluído lúbrico,
Mistura insolente, que nos satisfaz por sermos impudentes.

Porra densa e pegajosa, gostosa de sentir la dentro,
Mistura lasciva, produto de nossa loucura e tesão único,
Que nos leva ao paraíso, gozando os dois, fora de centro.


sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Delícias orientais. Shunga III.



Esperma quente que sobre mim escorre,
Final de foda transtornante, de putaria insana,
Fluido seminal que fecunda meu prazer que ocorre,
A cada estocada que dás em minha chana.

Sinto quando o pau retiras de minha buceta,
O ar que nela penetra  leve e afrescalhado,
Enquanto para finalizar teu gozo em punheta,
Excitas a cabeça desse pau duro arregaçado.

Jorra sobre mim esse líquido denso e leitoso,
Golfas na barriga, entre as coxas na virilha,
Peço mais, quero nas tetas o lacto pegajoso,

Quero sobre mim todo teu sêmen prepotente,
E te xingo quando gozas sobre mim a maravilha,
De teu prazer puto, vadio, ardente e indecente.


terça-feira, 24 de outubro de 2017

Delícias orientais. Shunga II.



Provocante e ambígua, exibo atributos que conheces,
Mostro e empino a bunda perfeita que sei que te transtorna,
Peço nela teu caralho, alivia a ânsia de que padeces,
Fode-me, faz de mim o depósito da porra que te estorna.

Rebolo para te atrair, requebro ancas e quadris,
Meneio o corpo, ida e vinda, irresistível me torno,
Sinto a tua sofreguidão e tesão, quase juvenis,
Calor próximo, teu pau sente minha buceta como forno.

Preferes meu cu, no entanto, meu puto do caralho,
Desbrava-me pregas, entras vitorioso e viciante,
Alarga-me de uma vez e de supresa, enfia no meu talho.

E mete, incessante vai e vem, crescente e possessivo,
Arfando e gemendo eu te conduzo como bacante,
Até ejaculares, dentro, esporrando como animal lascivo.


sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Delicias orientais. Shunga.I


Buceta imperial, imperativa e impositiva, órgão da desordem e cobiça,
Dos desejos sem perdão que vivem em nossas mentes em plena insanidade,
Receptáculo adequado a caralhos duros e venosos, bela e grossa piça
Pulsante e potente que nela penetram, estocando um útero sem piedade.

Buceta generosa, que se compraz em sexo total, que engole toda a porra,
Que ejacula dentro dela e responde gutural, sons imprecisos, degradantes,
Cheiro de sexo, mistura de fluídos, suores e odores, uivo de cachorra,
Esguichadas fatais, sensações mortais, animais, gritos instigantes.

Toda aberta curto toda essa tua penetrada precisa e triunfal,
Excitada peço, em soluços a afogueada, por uma foda sem trégua,
Confiante me entrego a tua sanha, a tuia tara e tua potência letal.

Quero teu sexo em minha mente e no corpo quero tua violência,
Desmaio de desejo dessa pica garanhuda em minha buceta de égua,
Gozando alucinada, fodendo como puta, sem sem dó e sem clemência.